Fale Conosco

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato direto conosco, responderemos o mais breve possível.

Endereço:
Carlos Luzardo
Rua Gonçalo de Carvalho, 181
Porto Alegre, RS - Brasil

Map-trigger
Fechar
Logo Bonze-shadow

Redação
da Semana

Confira aqui os temas das redações da semana de todas as semanas do ano, além de videos, matérias e imagens relacionadas.

Tutorial e tema aula 19/2017


O objetivo deste tutorial é refletir sobre "dignidade" no trabalho no Brasil e o futuro dessa atividade no país.

Na introdução, vamos contextualizar o assunto "trabalho" hoje: essa atividade nunca foi tão discutida no país - veja-se o projeto de flexibilização do trabalho; além disso, nossos índices de desemprego nunca foram tão altos. Assim, o que falta para a plena dignidade no trabalho?

No D1, vamos mostrar as precariedades que o trabalho ainda apresenta no Brasil. Apesar de historicamente mais altas, as remunerações ainda não são suficientemente dignas (basta mencionar o valor do salário mínimo); grandes camadas trabalhadoras da população ou adquiriram seus direitos recentemente (como as domésticas) ou ainda nem os têm, e outras podem perdê-los. Nesta opção, podemos citar a permanência do trabalho escravo no país, seja rural seja urbano.

No D2, vamos refletir sobre o que seria o trabalho com dignidade: ele passa, obviamente, por boa remuneração. Mas isso não é tudo, e talvez não seja o item prioritário: boas condições de trabalho, bom ambiente no trabalho e perspectivas de futuro são exigências crescentes. O trabalho é, afinal, uma das principais, se não a mais importante, formas de inserção social.

Na conclusão, necessitamos de sugestões de como melhorar essa situação: políticas de qualificação dos trabalhadores, acompanhadas de fiscalização nas condições de trabalho e melhores remunerações. Esse é o caminho da dignidade.


Material de Apoio


Apoio 1

Apoio 2





Tutorial e tema aula 18/2017


O objetivo deste tutorial é refletir sobre os limites entre o público e o privado nas redes sociais da internet. O tema é atual e os posicionamentos e opiniões são, ainda, inconclusivas, mas caminhos já podem ser apontados.
Na introdução, vamos mostrar a penetração cada vez mais constante da web no Brasil e a preferência que já exerce sobre os brasileiros. A pergunta, porém, é como estabelecer limites razoáveis sobre sua utilização.
No D1, abordaremos a condição a que grande parte dia usuários das redes sociais se submete: a exposição pessoal. São cada vez mais  constantes as reclamações sobre as consequências da liberação de informações pessoais, na forma de opiniões ou mesmo fotos, que prejudicam as próprias pessoas que as postam sem pensar. Ao não estabelecerem limites, criam problemas para si. Aí deveriam se impor limites.
No D2, discutiremos uma situação antagônica: a divulgação de informações de interesse público,  desde o desempenho dos políticos até os dados de orçamento do governo devem ser livremente acessados, e as redes sociais são a melhor ferramenta para democratizar esse acesso, agora estimulado pela Lei de Acesso à Informação. Além disso, atitudes como bibliotecas digitais - veja o site Domínio Público - devem ser estimuladas.
Na conclusão, vamos sugerir que o limite das redes sociais é não só do usuário, mas também do conjunto da sociedade: a escolha da utilização das redes sociais deve privilegiar a maioria.

 


Material de Apoio


Apoio 1

Apoio 2





Tutorial e tema aula 17/2017


O objetivo deste tutorial é refletir sobre o papel da família contemporânea na sociedade brasileira. No entanto, devido à imensa variedade de abordagens possíveis para este tema, apresentaremos apenas as sugestões mais relevantes, cujos dados necessários para fundamentar a argumentação podem ser encontrados em "redação da semana" (veja "texto 1, texto 2, vídeo e blog").
 Na introdução, afirmaremos que a família brasileira ainda é o núcleo da nossa sociedade. Apesar de ter sofrido mudanças na última década, consequências das alterações sociais, preservou características e apresentou nítidas alterações.
 No D1, precisaremos escolher as causas das alterações. Entre elas, certamente estarão o crescimento da renda, o acesso ao trabalho, as políticas sociais e o redimensionamento do papel da mulher.
 No D2, relacionaremos as consequências coerentes com o que afirmamos no parágrafo anterior: o envelhecimento da população, a redução no número de filhos, a procura por escolaridade, a religião.
 Na conclusão, buscaremos projetar o futuro da nossa sociedade a partir das alterações do núcleo familiar.


Material de Apoio


Apoio 1

Apoio 2





Tutorial e tema aula 16/2017


Este tema aborda a questão crucial do ensino, da atividade intelectual e do desenvolvimento do país: o (escasso) acesso à leitura e ao padrão culto da língua.
Na introdução, esse será o foco: sem o domínio do padrão culto do idioma, sem o acesso à leitura, nem o desenvolvimento nem a cidadania de um país se efetivam plenamente.
No D1, vamos trabalhar as causas do escasso domínio da língua culta no Brasil: a longa tradição do analfabetismo, sua herança - o analfabetismo funcional-, a escolaridade precária, o custo do livro, o acesso precário à internet.
No D2, vamos mostrar que, sem o domínio da língua culta (ou seja, se o indivíduo não sabe ler ou escrever), não há possibilidade de sucesso no trabalho, na universidade, nem do exercício pleno da cidadania. O acesso ao padrão culto da língua é a ferramenta que integra o cidadão à sua comunidade e à sua cultura.
Na conclusão, vamos sugerir maior empenho e cobrança das escolas nessa ferramenta, além de exigir, do governo e da sociedade, que a implementem.


Material de Apoio


Apoio 1

Apoio 2





Tutorial e tema aula 15/2017


O objetivo deste tutorial é posicionar-se quanto à aceitação, em nível internacional e nacional, da pena de morte. Se os números globais indicam redução, por que ainda há apelo por esta punição? Como estratégia, usaremos o falso contraponto.
Na introdução, vamos contextualizar a situação da pena de morte: sua aplicação em diferentes países, seu apelo, seus resultados.
No D1, vamos aos aspectos positivos - falsos - da aplicação da pena de morte. Podemos imaginar que ela diminuiria a criminalidade. Sua imposição aumentaria o respeito à lei por parte dos criminosos. Reduziria os crimes violentos, ou hediondos. Abriria mais espaços nos presídios, diminuindo, assim, os gastos públicos nessa área.
Já no D2, vamos demonstrar a realidade: nada do que dissemos no D1 é comprovável, ou mesmo verdadeiro. Não há relação comprovada entre pena de morte e redução da criminalidade, o que pode ser comprovado pela permanência do crime nos países onde ela se aplica, ou até mesmo seu recrudescimento. Além disso, quando o excesso descontrolado da violência não ocorre, nem mesmo a lei pode impedi-lo. Não podemos esquecer que a pena de morte, depois de consumada, é irreversível. Assim, injustiças podem ser cometidas.
Na conclusão, mostraremos que a reeducação do preso e a prevenção do crime são as melhores soluções.


Material de Apoio


Apoio 1

Apoio 2